3 de agosto de 2010

Toy Story 3


Tenho que começar dizendo que, pra mim, toy story 3 é (ERA) o melhor filme do ano, por enquanto. Entretanto, eu não estava levando muita fé no filme e fui assisti-lo com meu amigo meio que sem vontade.


O filme passa por vários momentos onde é mostrado o quanto o Andy cresceu e, finalmente, o temido dia dos brinquedos serem deixados de lado por ele chegou. Após alguns "começos falsos" e após o desenrolar da fita, o filme foi revelando ser o melhor da série!
Dia e Noite - Curta da Pixar

Vale ressaltar que só o curta já valeu pelo ingresso.

Agora com 17 anos Andy está prestes a ir para a faculdade. Buzz e Woody continuam liderando o grupo de brinquedos, que com o passar do tempo, ficou relativamente reduzida.
Quase indo parar no sótão por engano da mãe de Andy, os brinquedos acabam parando na creche Sunnyside onde, apesar de sua aparência encantadora e agrádavel, os brinquedos de lá são liderados/dominados por um ursinho de pelúcia chamado Lotso. Enquanto isso Woody vai parar nas mãos de uma garotinha chamada Boonie e lá, tenta achar um metódo para ajudar os seus amigos.

O filme contém várias referências aos filmes anteriores da série, onde tem uma cena em que é comentado o Garra (não me lembro ao certo como é a cena), outra cena é a da rede de pizzarias Pizza Planet. O filme ainda nos mostra algumas referências bem interessantes, como uma versão da brincadeira de Andy no começo do segundo filme, é passada por dois pontos de vista muito interessantes, Buzz pensando que é um patrulheiro espacial (essa piada nunca perde a graça pois sempre muda o modo como é abordada) e o medo de Jessie (responsável por uma das cenas mais belas da série no segundo filme, apesar de eu não gostar muito dela haha) de ser abandonada.

Sunnyside
O visual do filme é simplesmente fantástico, como é de se esperar de um filme da Pixar. Uma das cenas mais interessantes é como a Sunnyside passa de um lugar agradável e encantador para um lugar totalmente obscuro e assustador, sem mudança ALGUMA no cenário, somente com mudanças de como a camêra enquadra a cena e um pouco na fotografia. E é nesta cena que o filme atinge o clímax desesperador da produção.

Lotso
Toy Story 3 ainda nos mostra novas idéias a cada momento como o olho perdido da Srª Cabeça de Batata (genial) e os brinquedos da Sunnyside e do quarto de Bonnie (interessantíssimos), vale destacar o vilão da fita Lotso e seu capanga Bebezão (esse é o nome do capanga) que, nos lembra muito os vilões da série 007. Não esquecendo também das cenas hilárias que nos proporcionam o personagem Ken e Barbie.


O roteiro de Michael Ardnt é primoroso. Ele consegue não só propor situações interessantes a cada momento da película, como também fechar todos os arcos narrativos abordados (sim, eu me refiro também a dos soldadinhos deserdados). Sem contar que o filme vai se tornando uma mistura de emoção com euforia (magnífico), que não deixa nada a desejar a nenhum filme de suspense e ainda finalizando de uma maneira que se torna, eu diria, impossível para qualquer um que acompanhou a saga dos brinquedos de Andy segurar as lágrimas.

O modo como o texto vai se desenvolvendo vai acompanhando a montagem do filme, que acelera assim como a história que vai se encaminhando para o seu ápice, mas sempre na velocidade certa. A trilha sonora é sem palavras, muito bem trabalhada, consegue nos prender e proporcionar muito mais emoção.

A dublagem do filme é um elemento indispensável para todos que seguem os personagens da série ao longo de quase duas décadas. Guilherme Briggs e Marco Ribeiro são Buzz e Woody, respectivamente, são simplesmente inigualáveis!! Eu aconselho todos à irem atrás das cópias dubladas. Achei estranho e melhor não comentar (não, não é a música do legião) a cena em que o Buzz fala em espanhol, por não ser dublado por Briggs, mas acabei sabendo que isso não foi só aqui, foi em todos os países (mais de 35 se não me engano) que o filme foi dublado, a Pixar tinha esse contrato onde dizia que a voz espanhola do Buzz teria que ser aquela independente de qual país fosse reproduzir a dublagem.

Em certo ponto do filme ocorre uma situação pela qual os brinquedos estão indo em direção a uma espécie de caldeira, onde todos os restos de lixo (sucata) estão prestes a serem transformados em cinzas. A cena se passa logo após os brinquedos do Andy salvarem Lotso da destruição, e o vilão acaba abandonando os brinquedos no momento mais importante, onde era só apertar um botão para salvá-los. Quando os brinquedos estão indo em direção a esse fogo eles tentam desesperadamente voltar, mas a sucata os empurra para baixo impossibilitando a volta. É aí que surge a cena mais espetacular do filme, para mim, quando notam que não tem mais jeito de como escapar os bonecos 1 a 1 decidem parar de lutar e realizam que vão morrer ali, então começam a dar as mãos uns aos outros aceitando a morte, mas ao mesmo tempo aceitando uns aos outros, querendo morrer unidos, assim como na saga toda (dá vontade de chorar de tão humano que é essa porra de cena). Chega de spoiler.
A cena final é quase impossível não chorar, onde acontece o fechamento de uma das maiores séries (chorei 2 vezes) sobre lealdade e companherismo da história do cinema.

Por conta de todas essas emoções e sentimentos eu sou eternamente grato a franquia Toy Story, o diretor Lee Ukrich (trabalho excepcional), toda a equipe da Pixar e, é claro, aos brinquedos do Andy que me proporcionaram muita alegria na infância juventude e na vida adulta.
 ASSISTAM TOY STORY 3






Gostou? Comenta

3 comentários:

  1. Muito boa a crítica, ressaltando os pontos positivos da série e também mostrando a própria opinião.

    ResponderExcluir
  2. Igor de Moraes Antunes4 de agosto de 2010 13:31

    o filme parece ser bom mesmo
    apesar de eu nao ter visto nenhum filme ainda
    a vontade de comecar a assistir acabo de almentar.

    ResponderExcluir
  3. Igor de Moraes Antunes9 de agosto de 2010 13:59

    O filme parece ser bom mesmo
    apesar de eu nao ter visto nenhum filme ainda
    a vontade de comecar a assistir acabo de aumentar.

    ResponderExcluir